Remo: Cabo Verde tem grandes potencialidades o que falta são materiais – Professor Rui Faria, formador da FISA

No contexto do “Projeto de Desenvolvimento do Remo em Cabo Verde“, financiado pela FISA, com o apoio da Solidariedade Olímpica e do Comité Olímpico Cabo Verdiano, esteve de visita à instituição Olímpica de Cabo Verde o professor Rui Faria, formador da FISA, que realçou as potencialidade do país para a modalidade.

O Projeto de Desenvolvimento do Remo em Cabo Verde, decorre neste momento com uma formação de Treinadores de Nivel I da FISA, que esta a ser comandado pelo professor.

Referindo se a ação que decore no município de Santa Cruz, Faria realçou que “Há uma grande receptividade dos formandos, hoje teremos a oportunidade de fazer exercícios com uma atleta, pelo que pensamos que esta a correr bem atá agora”.

“Pelo que pude constatar tem-se espaços para a prática da modalidade tanto no mar, como remo Olímpico, por exemplo na Gamboa, no Tarrafal, que é longe mas serve, Cabo Verde tem muitas potencialidades físicas, a maior dificuldade, no entanto, vejo que são os materiais” acrescentou Rui Faria

Neste encontro, com a Presidente do Comité Olímpico a Associação de Remo e Canoagem de Santiago Sul teve também a oportunidade de partilhar informações, sobre os próximos passos previstos para este projeto.

O objetivo deste projeto a priori é formar diversas associações desportivas no país, afim de realizar a criação de uma Federação Nacional de Remo, que irá cuidar do desenvolvimento da modalidade em Cabo Verde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *